Monumento às Linhas de Torres Associação de Turismo Militar Português - ATMPT

Desde há muito tempo que o município de Sobral de Monte Agraço tem a vontade de criar uma peça de arte que se tornasse numa merecida homenagem às Linhas de Torres e ao esforço heroico de militares e povo na defesa da independência de Portugal. Venha conhecer.

Desde há muito tempo que o município de Sobral de Monte Agraço tinha vontade de dedicar um monumento às Linhas de Torres por aquilo que representam para a história e identidade de Portugal. O desafio foi lançado ao escultor Rogério Timóteo que criou um conjunto escultórico composto por 152 pilares, que representam o total de fortes e redutos que integraram a estrutura defensiva a norte de Lisboa, erguida para defender a capital do ataque das tropas de Napoleão, em 1810. Segundo o autor da peça "suspensos em alguns pilares estão fragmentos de um metal décor diferente que, observados de determinados ângulos, permitem visualizar a silhueta de um soldado de infantaria e de um canhão". 

Implantado no centro da rotunda o conjunto escultórico tem as características necessárias para não prejudicar a visão dos automobilistas, uma vez que a configuração da peça permite que, em qualquer local da via, se consiga ver o outro lado da rotunda. "É nesta dualidade de observação pelos automobilistas que se desenvolve a dinâmica da peça com a sua ausência-presença, criando um aparente movimento com capacidade de constantemente renovar o olhar do observador".

A escultura foi instalada na rotunda, à saída da autoestrada n.º 8, junto à localidade de Sapataria, por ter sido este um local-chave durante a ocupação da primeira linha defensiva. Nesta zona do terreno, protegida pela retaguarda do Forte do Alqueidão - principal posto de comando das Linhas de Torres - o Comandante Supremo do Exército Aliado, Arthur Wellesley (Duque de Wellington) fixou o seu quartel-general na Quinta dos Freixos, em Pêro Negro, e William Beresford - Comandante do Exército Português - instalou seu quartel-general em Casal Cochim, muito próximo da rotunda onde se encontra a escultura. O local escolhido representa, assim, simbolicamente a estratégia defensiva pensada para as Linhas de Torres que se desenvolveu, aprofundou e reajustou neste espaço onde, outrora, coexistiu o Estado-maior do comando inglês, a paredes-meias com o Fortes do Alqueidão e a Serra do Socorro.




A partir daqui o visitante pode partir à descoberta de paisagens arrebatadoras, só possíveis avistar do cimo dos Fortes das Linhas de Torres. Sugerimos que inicie a sua viagem no Centro de Interpretação das Linhas de Torres, em Sobral de Monte Agraço, e de lá parta para conhecer os Fortes do Circuito de Visita do Alqueidão, passando pela Igreja de Santo Quintino - Monumento Nacional - localizada numa área de terreno protegido pelas tropas aliadas, como posição avançada de observação.

EntidadeRota Histórica das Linhas de Torres
Redes Sociais

Direção Geral do Património Cultural Turismo Centro de Portugal Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa Alentejo Ribatejo ERT Algarve Visit Madeira Património.PT APECATE OPCTJ Rede de Castelos e Muralhas do Mondego